Mudança e modernização do sistema de cultivo de morangos semi- hidropônico

Buscando aliar maior rentabilidade e melhor qualidade de vida, produtores de morango estão migrando para o sistema semi-hidropônico, que agrega mais valor à fruta pelo seu manejo sustentável.

Neste sistema a fruta fica suspensa, sem contato com o solo, o que diminui o custo de produção, pois não precisa serem feitos investimentos para combater pragas e doenças, com uso em menor quantidade de agrotóxico, tornando o morango uma fruta com um padrão mais elevado.

Ao contrário do semi-hidropônico, no sistema convencional se perde muita muda por causa do calor. No novo processo, nos meses mais quentes, se produz menos, mas a produção não para e a muda pode ser cultivada por dois ou três anos. Rodrigo Pereira é produtor da variedade Albion, em Cambuí, no sul de Minas Gerais. Há 10 anos, ele trabalha com a cultura, mas somente há seis meses mudou o manejo para o semi-hidropônico.

“A mudança só trouxe benefícios. Hoje, trabalhamos em pé, sem precisar ficar agachados no chão, e isso me dá mais tranquilidade por saber que não terei graves problemas de coluna no futuro. O fato também de o sistema colocar as mudas elevadas, sem contato com o solo, diminui bastante as pragas e doenças. Assim, o morango fica com uma qualidade melhor e se torna mais rentável”, afirma Rodrigo Pereira.

O produtor lembra que o investimento inicial é maior, mas a durabilidade do processo também. “Numa propriedade de mil metros quadrados, onde o custo é de R$ 10 mil a R$ 12 mil para o cultivo tradicional, no sistema semi-hidropônico o investimento é em torno de R$ 60 mil”, diz Rodrigo.

MINAS GERAIS É O MAIOR PRODUTOR DO PAÍS

Minas Gerais tem 1.790 hectares de cultivos de morango, sendo a maior produção do país, com 41 toneladas por hectare. A produção esperada para a safra 2015 é de 72.716 toneladas. O estado foi o primeiro a produzir a fruta, seguido do Paraná, Rio Grande do Sul e São Paulo. O Paraná é o segundo maior produtor, com 18 mil toneladas.

A produção de morangos se concentra no sul de Minas, principalmente na região de Pouso Alegre. Os municípios que mais produzem são: Espírito Santo do Dourado, com 270 hectares; Estiva, com 234 hectares; Bom Repouso, 200 hectares; Senador Amaral, 200 hectares, e Pouso Alegre, com 144 hectares. A região de Barbacena também tem uma boa produção da fruta.

De acordo com o coordenador da Emater-MG, Deny Sanábio, o número de produtores em no estado tem se mantido. “Na regional de Pouso Alegre, por exemplo, continuam os mesmos agricultores familiares trabalhando com a cultura. Eles são 3.071 produtores de morango. É um cultivo de alto custo, não tem gente entrando nem saindo”.

visto em http://www.revistahidroponia.com.br/noticias/noticia.php?noticia=28656

Os comentários foram encerrados, mas trackbacks e pingbacks estão abertos.