Crédito escasso atinge agronegócio e ameaça competitividade do campo

agribusiness_testimonial

O aperto no crédito chegou ao agronegócio. A menos de um mês do início do plantio da nova safra, produtores de soja se queixam de dificuldades para obter empréstimos para custear a produção. Morosidade na análise de crédito, aumento das exigências dos bancos, alta nos juros –com um “mix” entre recursos subsidiados e crédito livre com taxas elevadas– e até venda casada são relatadas por agricultores. As dificuldades provocaram atraso na compra de insumos necessários para o início do plantio, como sementes e fertilizantes, e aumentaram os custos de produção. Se o problema persistir, poderá interromper os sucessivos ganhos de produtividade do setor nos últimos anos.

A situação é pior em regiões onde há mais produtores com dívidas pendentes, como no Rio Grande do Sul, Bahia e Goiás. Mas, segundo o presidente da Aprosoja Brasil (Associação dos Produtores de Soja), Almir Daspasquale, o aperto é generalizado. “O dinheiro vem vindo a conta-gotas para todas as agências do Brasil”, diz. O problema teve origem no primeiro semestre, quando os produtores começam a se preparar para o plantio da safra seguinte. Nessa fase, eles buscam recursos nas linhas de pré-custeio, voltadas à compra de insumos.

DESAFIOS DOS PRODUTORES DE SOJA EM 2015 

APERTO NO CRÉDITO

Atraso na liberação de recursos e maiores exigências limitam o acesso a empréstimos com juros subsidiados

Preços em baixa
Cotações da soja caem mais de 20% em 12 meses com aumento nos estoques, alta do dólar e desvalorização do yuan

Oscilação cambial
A alta do dólar encarece insumos, como defensivos e adubo. Por outro lado, eleva a renda do produtor em reais

visto em http://www.noticiasagricolas.com.br/noticias/agronegocio/160692-na-folha-credito-escasso-atinge-agronegocio-e-ameaca-competitividade-do-campo.html#.VdtFm1MeVko

Os comentários foram encerrados, mas trackbacks e pingbacks estão abertos.